Direção: Steven Spielberg.
Roteiro: Melissa Mathison.
Ano de lançamento: 1982.
Duração: 115 minutos.
Estreia na televisão brasileira: 31 de dezembro de 1990.
Cores.
Companhias Produtoras: Amblin Entertainment.


E.T. – O Extraterrestre é sem dúvida o filme mais amado da história do cinema. Foi visto por mais de 240 milhões de pessoas no mundo todo e arrecadou mais de US$700 milhões. É uma obra prima feita para as crianças de todas as idades, que reinou durante 10 anos como o filme mais rentável da indústria cinematográfica. Tornou-se uma febre na época de seu lançamento com inúmeros produtos de consumo dirigidos ao título. Bonequinhos, livros ilustrados, álbuns, pôsteres, a trilha sonora, e até os produtos que foram anunciados no filme também estouraram na vendagem. As bicicletas BMX (usadas por Elliott e seus amigos no filme) tiveram suas vendas aumentadas de forma impressionante, é como se as crianças do mundo todo tivessem que ter uma, mesmo que elas não voassem como a de Elliott.

Steven Spielberg gastou US$ 10,5 milhões para realizar E.T. – O Extraterrestre, o que para os seus padrões foi um orçamento muito baixo, que ele conseguiu manter evitando contratar atores famosos, e concentrando os recursos nos efeitos especiais e contratação de técnicos.

As mensagens de extraterrestres são um pouco longe da vida real, mas a fábula de E.T entra em casa e no coração do público. O roteiro de Melissa Mathison, esposa de Harrison Ford, consegue levar a mesma ingenuidade presente nos clássicos de Disney, além de paralelos de uma mitologia religiosa, essa combinação talvez ajude a explicar seu efeito chocante sobre as plateias.

À primeira vista o alienígena é observado devido à aparência desagradável, porém, à medida que o vemos, passamos a percebê-lo de outra forma, bem diferente de um “Alien” ou um “Predador”, esquecemos sua fealdade e notamos com mais intensidade a ternura e a pureza que o animam. E.T. veio em busca de paz, mesmo que seja uma criatura estranha em um lugar estranho e convivendo com pessoas estranhas ele não veio para iniciar uma guerra interestelar.

Spielberg nos conduz a um gênero que, desde os seriados dos anos 30 e dos filmes dos anos 50, induzem o espectador a desconfiar do outro, do estrangeiro, que era o invasor em potencial, o inimigo. E.T., ao contrário, é uma fantasia que nos diz para não odiarmos aquilo que não conhecemos, que mesmo diante do desconhecido e da imagem diferente que a criatura tem, podemos conviver juntos e até encontrar semelhanças.

A história do filme começa quando E.T. se perde na floresta na noite em que sua tripulação fazia pesquisas na Terra, então é deixado sozinho num mundo desconhecido, até o momento em que conhece Elliott, um garoto que vive nos ricos pastos dos subúrbios americanos, e se tornam amigos. Elliott e seus irmãos tentam a todo custo escondê-lo da mãe, mas logo E.T. é descoberto e torna-se quase o bichinho de estimação da família, aprendendo os hábitos do dia a dia de uma família de classe média padrão norte-americana.

As cenas da despedida de E.T. e do voo de bicicleta em frente à Lua, ficarão para sempre na memória de todos, graças aos efeitos visuais e emoção estampada por detrás dos acordes de John Williams.

No Brasil, onde não fugiu a regra também se tornando um estrondoso sucesso de bilheteria, o filme só chegou à televisão em 1990, e apesar do ineditismo propagado pela Rede Globo, a figura do alienígena já era tão conhecida do grande público que o impacto da sua estreia na telinha perdeu-se um pouco.

Até aquele momento,  E.T. – O Extraterrestre ainda era o filme de maior bilheteria com mais de 300 milhões de espectadores em todo o mundo e arrecadando algo em torno de 350 milhões de dólares. Porém, a novidade estava em para muitos vê-lo dublado, ouvir o maravilhoso personagem pronunciar palavras em português e avaliar como ficara a sua voz escolhida na Herbert Richers para ser a de Ilka Pinheiro.

Sua primeira exibição na telinha no Brasil se deu em virtude da programação comemorativa de fim de ano da Globo, sendo apresentado no dia 31 de dezembro às 21h25, logo após a telenovela Meu Bem, Meu Mal.

Para o lançamento em DVD do longa, em busca de uma melhor qualidade sonora, o filme precisou ser redublado, ainda com o trabalho da Herbert Richers mas com algumas mudanças no elenco.

E.T. – O Extraterrestre, não só agrada, como imortaliza em nossa mente sua história, seus personagens e sua música (como sempre um show de John Williams).

ELENCO:

Personagem Original Dublagem Original Segunda Dublagem
Mary Dee Wallace Fátima Mourão Mônica Rossi
Elliot Henry Thomas Paulo Vignolo Thiago Farias
Keys Peter Coyote Orlando Prado Mauro Ramos
Gertie Drew Barrymore Maria da Penha Bárbara Ficher
Michael Robert MacNaughton Cleonir dos Santos Rodrigo Antas
E.T. (voz) Debrah Winger Ilka Pinheiro Ilka Pinheiro



style=”display:inline-block;width:300px;height:250px”
data-ad-client=”ca-pub-7216971035978343″
data-ad-slot=”8029069552″>

WordPress Video Lightbox Plugin